quarta-feira, dezembro 01, 2010

Cabelo e Gastroplastia

Mais uma vez vou dizer que esse blog não tem a menor intenção de motivar ou desmotivar uma cirurgia. Venho relatar pontos que tive curiosidade antes e depois de operar e espero que minha experiência sirva para pessoas refletirem sobre todo o processo.

Um dos temas que realmente me deram um susto foi a perda de cabelo.

Mulher dá muito valor as cabeleira, eu pelo menos eu dou, reflete não só o estilo, mas até mesmo a segurança, estima...

Em todas minhas crises existenciais, vazias ou entupidas de sentimentos eu mudei o cabelo. Toda mudança brusca na minha vida me fez pinta, alisar, enrolar, desistir, cortar. Enfim mudar o cabelo. É até certo ponto um porto seguro.

Não tenho o cabelo perfeito, é até muito sem graça, mas cabelo é cabelo e ele não engorda. Quando as mulheres são gordinhas se apega a qualquer parte do corpo que não exija um tamanho P para ser confortavelmente aceita pelos outros e por si. È assim como o cabelo, com as unhas, com os pés..... ahhhh os sapatos. Na altura dos meus 100kg lá estava eu comprando pares e pares de sapatos. Hoje posso sair e comprar um jeans que tenha minha numeração.

Mas voltando aos cabelo....

Dei pouca importância quando disseram que meu cabelo iria cair por causa da gastroplastia, chegou o terceiro mês e tudo maravilhoso, devo admitir que no primeiro mês meu cabelo parecia mais saudável, forte, brilhante e macio e logo pensei que fosse por conta das mudanças alimentares.... e era.

Mas ai quarto mês chegou e o desespero passou a fazer parte dos meus dias, acordava com bolos de cabelo no travesseiro, passava a mão na cabeça e era tanto cabelo que vinha junto que em alguns dias eu chorei.. E para lavar o cabelo? O ralo ficava tão cheio de cabelo que parecia até um pano cobrindo o ralo. Eu poderia jurar que fiaria careca em 2 ou 3 meses se o ritmo continuasse aquele.

E fiquei... não por completo, mas do lado da orelha esquerda eu tive falhas severas no couro cabeludo que não dava nenhum sinal que iria se recompor e voltar a nascer qualquer coisa ali, meu cabelo bem ralinho, sem volume., tão triste. Ainda não me via como uma pessoa mais magra e ainda achava que ficaria careca.

Em uma das consultas me encontrei com outra operada que estava ali no consultório porque a falha no couro cabeludo era tão grande que ela precisava de um acompanhamento especial. Fiquei em pânico.

No consultório a médica me receitou biotina, para ajudar com a cabeleira e as unhas fracas (que também são comuns após cirurgia).

Os dias se passaram e o cabelo continuava a cair, mas ao contrário de muitas eu evitei cortar, deixei ele lá.. estranho, ralo, falho.. mas não queria abrir mão do cabelo e não cortei, só aparava alguns centímetros.

Os meses passaram e por volta do oitavo mês o cabelo parou de cair, pelo menos a intensidade era mínima beirando a normalidade e com o tempo fios novos começaram a surgir. A partir daí toda visita ao cabeleireiro eu era indagada do que havia feito para meu cabelo estar tão curto em algumas áreas e tão longo em outras.

Tentei manter o cabelo o mais saudável possível, banhos de creme caseiro, pouca química... pintei o cabelo apenas 1x depois da operação, mas ele não foi mais o mesmo....

Essa semana fiquei cansada de ver metade do cabelo de um tamanho e a outra de outro e enfim cortei, curtinho. Não que essas falhas fossem visíveis a olho nu... pra ver tinha que apalpar, mexer. Enfim, somente eu percebia, mas me incomodava muito. E agora a tendência é que eu passe alguns meses cortando curto, até o cabelo começar a crescer por igual. Veremos...

No mais futuras operadas, não se desesperem... eles param de cair :)

Mostro o cabelo novo no próximo post dia 07/12 -> 1 ano de cirurgia.
Vou ver se mostro uma foto de antes e depois... vamos ver se crio coragem.

bjs

3 comentários:

Katia Cilene disse...

Caracas... eu estou pretendendo fazer, porém já sou careca, tenho pouco cabelo e bem fino, dependendo como amarro, fica mostrando o couro cabeludo, imagina depois da cirurgia. Isso me deixou preocupada!
Beijos...

Paty disse...

Oi, novamente. Li todo o seu blog, como devia.
E sinto como vc. mesmo sem ter feito a cirurgia. Somos pessoas com almas frágeis como disse no outro comentário... é uma constatação. mas não tenho a solução. É inacreditável como algumas situações nem incomadam algumas pessoas (a maioria) e pra nós é inadimissível... As pessoas simplesmente são superficiais e é como se apertassem o botão delete e aquilo nem tivesse acontecido.
Mas nos afeta profundamente. muitas vezes fico indgnada com a falta de sensibilidade e respeito da maioria das pessoas.
A diferença é que eu casei há 3 anos... e sinceramente achei que seria tudo diferente do que é hj. É verdade, as pessoas mudam e pior cego é aquele que acha que o outro vai mudar...
Já fui mais feliz. Mas também já muito mais infeliz. A única coisa que sei é que não dá pra desistir.
uma coisa que mudou bastante e me trouxe equilibrio foi começar a fazer serviço comunitário. Aí de verdade as pessoas te tratam bem mesmo vc sendo gorda como sou hoje. Cada agradecimento que recebo me faz sentir melhor pelo que sou não pelo que estou... tente. Saber que pessoas precisam e contam com vc é uma terapia e tanto.
Um abraço...

Katia Cilene disse...

Garotinha, com que vc fez sua cirurgia? Beijos... Kátia Cilene